Rui Falcão promete apoio à UKB

O governador provincial de Benguela, Rui Falcão, manifestou-se apreensivo com o avançado nível de degradação em que se encontram as instalações do ISCED e promete apoio do seu executivo no sentido de inverter o quadro, de modo a conferir dignidade aos estudantes e pessoal administrativo.
O governante, que radiografou as instalações das 6 unidades orgânicas da UKB, auscultou as principais preocupações por que se debatem as mesmas, mormente infra-estruturais.
O périplo do governante começou pela Faculdade de Medicina e terminou nas instalações do ISCED de Benguela em que Rui Falcão confrontou-se com as dificuldades infra-estruturais por que se debate a instituição.
Entretanto, o chefe do executivo de Benguela recebeu igualmente informações precisas sobre o funcionamento de outras unidades orgânicas, tendo se inteirado do grau de dificuldades das mesmas. Entretanto, foi no encontro que manteve com o colégio reitoral, decanos e directores dos serviços centrais da UKB, na sala de conferência da Reitoria, que Rui Falcão anunciou os apoios do Governo à Universidade.
O governante garante que se está a estudar a possibilidade “imediata” de se atribuir à UKB um espaço com dignidade para o ISCED “depois do que vi hoje, e é claro que não abrangeremos todas as necessidades, mas já será um bom passo”, assegurou, manifestando, por outro lado, a pretensão de o governo em implantar nas centralidades de Benguela Pólos de Desenvolvimento Educacional.
Nós vamos disponibilizar, em cada uma das centralidades, um edifício para a universidade”, garante.
Numa breve apresentação sobre a UKB, o Magnífico Reitor da Universidade Katyavala Bwila, Prof. Dr. Albano Ferreira, revelou que a UKB tem tido uma média de acesso anual na ordem dos 1500l “há alturas em que temos mais, altura em que temos menos, dependendo da taxa de reprovação dos alunos”, porém, agravada ultimamente sobretudo pela degradação das condições infra-estruturais que se regista desde 2014 “mas cumulativamente, a UKB, desde a sua criação em 2009, concebeu já 13.669 novos alunos”, revelou na visita que Rui Falcão, governador de Benguela, efectuou quinta-feira, 12, à UKB, aproveitando igualmente o ensejo para expor os seus constrangimentos.
Em termos de panorama geral – relação entre a procura e a oferta, refere o reitor, regista-se em média anual 1500 vagas para um universo de 14.750 inscrições “temos a capacidade de admissão de 90% dos inscritos”, havendo, contudo, uma taxa de não admissão bastante preocupante. “Um rácio de aproximadamente 13 mil alunos fica sem acesso ao ensino superior”, lamenta o responsável pela II Região Académica.
Por: Constantino Eduardo, Técnico do GICD